Sob o signo de escorpião | Jornal VOZ de IBIÚNA

Sob o signo de escorpião

Claudino Piletti

Conta-se que o imperador Frederico, o Grande (1712-1786), da Prússia, tinha uma bela casa no sítio, para onde sempre gostava de ir. Havia, em volta da casa, um belo lago com gansos, jardins, pomar, horta, etc. E, dentro da casa, tudo o que o grande imperador tinha direito.Mas, nas vizinhanças do sítio, enfeiando a paisagem, havia um velho moinho. Um dia, o imperador, com a intenção de derrubar aquele estorvo, mandou perguntar ao moleiro quanto queria por sua propriedade. O homem, porém, negou-se vendê-la. Indignado, o poderoso imperador, sem mais nem menos, mandou derrubarem aquela geringonça. O moleiro, que não ofereceu a menor resistência, apenas comentou: “O imperador pode fazer o que quiser, porém existem leis na Prússia e veremos quem levará a melhor.”O imperador foi processado e condenado a reedificar o moinho e a indenizar o moleiro com uma grande soma, por perdas e danos. Frederico, apesar da pena que lhe foi imposta, ao ser sentenciado, exclamou: “Vejo que há leis e juízes retos no meu reino”.Nosso ex-presidente Lula, não precisou mandar derrubar nenhum moinho, pois, nas vizinhanças da sua casa, no seu sítio em Atibaia – que ele jura não ser dele –, nunca houve moinho. Só lago com gansos, piscina, quadra de esportes, horta, pomar, jardins, etc. E, dentro da casa, tudo o que um ex-presidente tem direito.O problema é que, o nosso ex-presidente, é acusado de algo bem mais grave do que derrubar um velho moinho. Ele é acusado de mandar derrubar a Petrobrás, a nossa maior empresa. E conduzido coercitivamente a depor na Polícia Federal, ao invés de elogiar as leis e juízes de seu país, a exemplo do que fez o imperador da Prússia, preferiu fazer pouco de nossas leis e juízes. Tanto que um vídeo gravado pela deputada Jandira Feghali (PCdoB/RJ) e divulgado nas redes sociais mostra o ex-presidente Lula ao fundo falando ao telefone: “Eles que enfiem no c.. todo o processo”, diz Lula ao interlocutor. (Folha de S.Paulo, 06/03/2016: A4)

Comments

comments

Postado em 22, março, 2016